Orlando com crianças: guia de viagem

Organizar uma viagem para Orlando com crianças pode gerar uma série de preocupações e um nervosismo extra, mas eu escrevi esse post para te mostrar que é possível e que sua viagem também pode ser incrível.


Viajar com crianças para Orlando é vivenciar da maneira mais especial e pura a magia dessa cidade. Afinal, para eles tudo é real.


Saiba que viajar com os pequenos vai te exigir um planejamento maior que o comum, mas não desista! Então, se você está decidido ou ainda está na dúvida, esse post é para você. Tudo aqui foi escrito baseado nas perguntas deixadas no nosso instagram. Espero que gostem e que encorajem vocês a realizarem essa viagem mágica.


Separei esse guia em tópicos clicáveis para facilitar a busca relacionada ao seu interesse. Aproveitem!

Idade ideal
No avião
Hospedagem
Transporte
Emergência médica
Alimentação
Nos parques
Além dos parques
Dúvidas frequentes
Considerações finais
Relatos 

Idade ideal


Uma das perguntas que mais recebi foram: ''qual a melhor idade para ir?''. Essa é uma resposta muito pessoal. O que vai ser determinante em sua resposta é saber que essa é uma viagem que irá te exigir planejamento e paciência, além de respeitar os limites de cada criança.


Lembre-se de não associar idade ideal com aproveitar a viagem. Eu tenho certeza que em qualquer idade será possível curtir muito, seja nos parques ou numa refeição com personagens. E se você é daqueles que argumentam com ''crianças muito pequenas não irão lembrar'' eu te entendo, mas não pensem que não lembrar é sinônimo de não ser feliz! A experiência de ver seu filho encontrar seu personagem favorito com o brilho nos olhos será mágica e emocionante.

É muito importante considerar que ir com crianças não significa fazer a viagem somente para elas. Se é da sua vontade programar tudo para eles, não tem problema algum. Mas, entenda que é igualmente possível você incluir algo pensando em você e no seu grupo, como um parque com menos atrações infantis. Orlando é um destino altamente preparado para receber visitantes de todas as idades!


No avião


Uma viagem de avião com crianças pode ser visto como uma das partes mais difíceis do seu roteiro - principalmente se você se preocupar com olhares e julgamentos alheios. Evite se preocupar com o julgamento dos outros e foque em atender as necessidades do seu filho (a).

Apesar de cada criança ter necessidades individuais e da idade contar muito, aqui vão algumas dicas que poderão te facilitar:

  • Atividades pro avião

Leve para o voo os itens que a criança está acostumada a se entreter na sua rotina: brinquedos, tablet, jogos no celular, livro de colorir, entre outros. Essas ferramentas irão ajudar a distrair e manter a criança ocupada.

  • Alimentação

Se seu filho já está na fase dos sólidos saiba que não há nenhum problema de levar papinha, frutas ou biscoitos para consumir a bordo. Caso ainda consuma leite, também é permitido levar o leite em pó ou a fórmula. Dica: atente-se a regra dos 100ml; opte por levar somente o pó e peça a água aos comissários.


Importante: alguns alimentos são proibidos de ingressar nos EUA pela alfândega americana. Por exemplo, você pode consumir frutas durante o voo, mas caso não consuma terá que jogar fora antes de passar pela aduana. Confira aqui a lista de alimentos permitidos e proibidos para ingresso nos EUA.

  • Carrinho

Na hora de escolher se irá levar o carrinho ou não, lembre-se de considerar alguns pontos importantes.


- Caso leve o carrinho você poderá despachá-lo com suas malas. A vantagem é poupar sua energia durante a espera no aeroporto até o embarque; a desvantagem é ter que esperar trazerem seu carrinho ao chegar no seu destino. Dica: existem modelos de carrinhos menores que podem ser levados como bagagem de mão.

- Caso não leve o carrinho você poderá optar pelo canguru ou sling. A vantagem é não se preocupar com o despacho e ganhar tempo na imigração; por outro lado, poderá ser uma grande desvantagem para sua coluna e cansaço carregar uma criança.

  • Escolha do voo

A escolha do voo pode ser determinante para uma viagem mais tranquila. Lembre-se de considerar dois tópicos importantes: horário e tipo de voo.


- Horário: definir se o voo será diurno ou noturno poderá ser uma estratégia coringa para o sono. Essa escolha deve ser baseada na rotina da criança, se dorme mais de dia ou de noite, assim optando por um horário mais conveniente, as chances dela dormir durante o voo serão maiores.


- Tipo de voo: optar por um voo direto ou com conexão também pode auxiliar no comportamento da criança. Essa é uma escolha que requer conhecimento sobre o estilo da criança, visto que um voo longo direto pode ser bem entediante para ela. Por outro lado, encarar mais tempo no aeroporto pode ser bem mais cansativo.

  • Sono

Essa dica se complementa com a anterior sobre a escolha do horário do voo. Ainda assim, caso não seja possível escolher o horário, “cansar” a criança ao máximo até o horário do voo é uma boa estratégia.

  • Checklist para o voo

- Fralda e itens de higiene

- Babador

- Entretenimento como brinquedos ou tablet

- Comida

- Mamadeira e chupeta

- Cobertor

- Travesseiro

- Roupa extra


Hospedagem


A idade e o estilo da alimentação da criança são determinantes para essa escolha. No geral podemos dividir a hospedagem em 3 categorias: hotel, hotel temático ou casa.


Se a criança for muito pequena, leve em consideração a necessidade de alguns itens, como berço e lavanderia. Ao selecionar sua hospedagem verifique a disponibilidade do berço caso a criança ainda use um. Além disso, bebês e crianças menores tendem a sujar mais as roupas, logo contar com uma lavanderia no local irá te facilitar e muito.


Dica: Hotéis no estilo condo costumam ter lavanderia à disposição.


Em relação a escolha da categoria, na minha opinião eu optaria por alugar uma casa ou um hotel com cozinha. O motivo é apenas pela alimentação. O paladar americano pode ser muito forte comparado ao nosso. Ter a oportunidade de preparar os lanches ou até mesmo comida para as crianças poderá contribuir para o bem-estar delas e evitar algum problema de saúde. Para aqueles que não tem problemas com as comidas locais, um hotel com microondas já é suficiente.


Já sobre os hotéis temáticos, como os da Disney e da Universal, esse é um item dispensável e variável de acordo com o seu orçamento. Sem dúvidas se hospedar em um dos hotéis da Disney seria uma experiência incrível, principalmente pela imersão ao redor do hotel e dos quartos, porém não é uma regra para nenhuma criança se sentir feliz estando hospedada lá.


Dicas de hospedagens

  • Hotel com cozinha: Celebration Suites

  • Hotel econômico da Disney: Art of Animation (com microondas)

  • Hotel econômico da Universal: Endless Summer (com microondas)

  • Condo: Rede Sheraton

  • Aluguel de casa: Oba Vacation Homes (cupom de desconto: VPO)

Transporte


O carro é essencial para se locomover em Orlando, seja por aluguel ou Uber. Uma outra possibilidade é usar o benefício do transporte por ônibus dos hotéis, mas na minha opinião, o carro é a melhor opção quando têm crianças no grupo.


O foco aqui é qual melhor transporte para quem viaja com crianças. Veja a seguir o comparativo:

  • Alugar carro

Na minha opinião é a melhor opção. Além do conforto, o carro te dá liberdade e flexibilidade com horários — principalmente numa situação de emergência.

A desvantagem é que você irá precisar de cadeirinha, ou seja, ou precisará pagar um valor extra — cerca de 17 a 20 dólares por dia — ou terá que comprar — os valores giram em torno de 50 dólares e pode ser o melhor custo benefício dependendo da quantidade de dias da sua viagem. Uma outra alternativa é trazer a sua já do Brasil, porém acho muito trabalhoso.

Importante — leis para uso de cadeirinhas

*Crianças a partir de 6 anos: não é obrigatório o uso de proteções adicionais, somente o cinto de segurança;

*Crianças de até 5 anos: obrigatório alguma proteção extra, como a cadeirinha ou seat booster;

*Crianças de até 3 anos: precisam da cadeirinha de bebê,

*Crianças menores de 1 ano ou menos de 9kg: obrigatório uso da cadeirinha virada para trás.

  • Uber

Uma alternativa para quem não quer alugar carro ou não dirige é utilizar o Uber. As desvantagens são: você ficará dependendo de internet; poderá não conseguir o carro na hora; pagará iof já que é necessário pagar com cartão de crédito; e dependerá de Uber que forneça cadeirinha ou seat booster.

  • Transfer privado

Mais uma alternativa a quem não quer alugar carro ou não ficar refém do Uber. Com o transfer privado você já deixa um valor e horários combinados, além de já encontrar motorista com cadeirinha ou seat booster. Porém, como desvantagem, numa emergência o motorista poderá não estar disponível,.

  • Ônibus dos hotéis

Essa opção, na minha opinião, é a menos válida. A não ser que você esteja em um dos hotéis da Disney ou da Universal, utilizar o transfer dos hotéis é sinônimo de depender dos horários — na maioria das vezes limitados. Além de perder tempo de parque ou algum show de encerramento, o trajeto pode demorar já que o ônibus para em diversos hotéis.

Emergência médica


Esse é um assunto muito importante, que eu espero que não aconteça com você e sua família, porém é necessário dizer que estamos sujeitos a emergências médicas.

Em primeiro lugar não viaje sem seguro saúde — independente da faixa etária. Os custos com saúde são altíssimos nos EUA e qualquer emergência poderá te custar muitos dólares. Com o seguro saúde, dependendo do tipo contratado, você será encaminhado ao hospital e não pagará nada ou pagará e depois será reembolsado.


Em todos os parques há um ambulatório. Caso seja algo mais simples, encaminhe a criança até lá.

Em relação a remédios, lembre-se sempre de levar uma farmacinha, após uma consulta com o pediatra da criança, com itens que podem ser necessários e servirem de sos, como para febre, enjoo e dor de barriga.


Alimentação


Um dos assuntos mais pedidos! Esse é mais um tópico muito individual e que vai variar de criança para criança, principalmente dependendo da fase alimentar de cada um.

  • Fase do leite

Se seu filho estiver mamando exclusivamente só no peito é bem mais simples. Os parques são equipados com espaços de amamentação que são silenciosos, confortáveis e refrigerados. Mas, nada te impede de amamentar pelos parques.

Nos parques temáticos da Disney você contará com o Baby Care Center, que é um espaço dedicado aos bebês e crianças pequenas com todo suporte necessário.


Expliquei sobre o Baby Care Center num tópico mais abaixo.


Já nos demais parques de Orlando não há um Baby Care Center como os da Disney, porém há espaços mais sossegados dedicados a amamentação.

Se seu filho usar fórmula lembre-se de conferir se ela é vendida em Orlando; caso contrário traga do Brasil. Para aquecer a água você pode pedir nos restaurantes ou esquentar no Baby Care Center.

  • Fase dos sólidos

Se seu filho é adaptado com papinhas você encontrará facilmente nos supermercados por um preço acessível. Para papinhas mais saudáveis e orgânicas, opte pelo Whole Foods; já as mais tradicionais você encontrará no Walmart, Target e Publix.


Caso a criança coma papinha, mas não seja adepta as industrializadas, uma opção é você mesmo prepará-la. Supermercados como o Whole Foods e o Publix vendem alimentos frescos. Se escolher por essa opção não esqueça de selecionar um hotel com cozinha ou alugar uma casa, além de comprar itens que sirvam de recipiente para levar para os parques.


Se seu filho já for maior e comer comida, você terá várias opções. Você pode optar por comer nos restaurantes dos parques ou levar sanduíches, biscoitos e snacks. Isso também vai variar de acordo com os hábitos alimentares de cada um, além do seu orçamento, afinal comer nos parques não é nada barato.


Regras para levar alimentos para os parques

  • Disney

Nos parques da Disney você não poderá levar recipientes de vidro (exceção para papinhas), portanto lembre-se de levar sua refeição naqueles recipientes de plástico reutilizáveis.

Sobre o uso do microondas: para bebês e crianças você poderá esquentar no Baby Care Center. Não é permitido pedir a um funcionário para esquentar para você.

  • Universal

Nos parques da Universal também não é permitido levar recipientes de vidro. Além disso, não há microondas disponíveis pelos parques, logo não é permitido levar alimentos que necessitem ser aquecidos ou resfriados. Opte por levar refeições que não precisem ser aquecidas ou leve uma bolsa térmica — desde que não tenha rodinhas e possua até 21,5cm de largura, 15,2cm de altura e 15,2cm de profundidade.

Alimentos para dietas especiais, como celíacas, são permitidos.

  • Sea World

No Sea World somente é permitido entrar com alimentos de bebê ou com refeições para quem possua uma dieta especial. Bolsas térmicas, comidas, bebida em material de vidro ou cortante são proibidos.

  • Busch Gardens

As regras do Busch Gardens são bem rigorosas. Nada além de garrafa de água de plástico é permitido. Caso você siga alguma dieta especial ou possua alguma indicação médica, entre em contato com o parque através do e-mail guestinformation@buschgardens.com para verificar a possibilidade de levar seu alimento.

  • Discovery Cove

Aqui nem alimentos nem água é permitido visto que o parque já oferece um plano de refeições à vontade.

  • Aquatica

Nesse parque aquático comidas e bebidas grandes não são permitidas. Garrafas plásticas, papinhas e snacks pequenos de até 100g são permitidos. Alimentos para quem segue dieta especial são permitidos através de comprovação médica.

  • Legoland

No Legoland é permitido levar garrafas plásticas com bebidas, pequenos snacks e alimentos de bebê que não precisem de resfriamento ou aquecimento.

  • Kennedy Space Center

Não é permitida a entrada de garrafas plásticas nem recipientes de vidro, porém alimentos embalados e transportados em pequenas sacolas são permitidos.


Nos parques


Esse assunto também foi muito pedido e então para facilitar vou dividi-lo em tópicos.

  • Ingressos

As crianças que tiverem até 2 anos e 11 meses não pagam ingresso. Já crianças entre 3 e 9 anos pagam ingresso da modalidade infantil — que é um pouco mais barato que o ingresso de adulto.

  • Quais parques visitar?

Definir quais parques incluir na sua programação é algo muito pessoal. Como falei no início do post, você pode optar por fazer uma viagem exclusiva para crianças como também pode incluir programações para adultos, respeitando a individualidade de cada criança.


Todos os parques de Orlando oferecem atrações infantis, então com certeza seu filho não estará sem o que fazer. Entretanto, alguns parques são dedicados às crianças, como o Legoland.


Caso você opte por organizar seu roteiro pensando nas crianças, minha dica é que você selecione os parques baseados nos interesses dela, ou seja, prefira parques com mais atrações infantis, como o Magic Kingdom e o Legoland.

Lembre-se que até mesmo os parques que não sejam tão infantis irão oferecer um entretimento bem legal, como o encontro com personagens, assim como terão alguma atração para as crianças, por exemplo a atração da Frozen, no Epcot e o espaço Sesame Street, no SeaWorld — uma área infantil com playground e atrações interativas com o tema da Vila Sésamo.

  • Quais atrações ir?

O que irá determinar se seu filho poderá ir a determinada atração é a altura — e claro, a vontade e coragem das crianças (e dos pais!).

Caso não esteja estipulado um limite de altura você poderá acompanhar seu filho na atração. Veja aqui a lista de atrações que possuem restrições e suas respectivas alturas exigidas.

  • E as filas?

Engana-se quem pensa que só porque seu filho não tem altura suficiente para determinada atração que você ou seu acompanhante não poderão aproveitar.

Sim! Existe um mecanismo que permite que você reveze com seu acompanhante quem ficará com a criança. Assim quando segundo adulto trocar com o primeiro ele não pegará aquelas filas imensas. Esse benefício maravilhoso se chama Rider Switch ou Child Swap! Vou te explicar como funciona.


- Disney


Na Disney, esse benefício se chama Rider Switch e só existe em algumas atrações. Funciona assim:


Vá até a entrada da atração com a criança e com o(s) adulto(s) que esperarão com ela — limite de 3 adultos. Avise ao cast-member que você quer utilizar a Rider Switch; ele irá te pedir o cartão dos ingressos ou a MagicBand e incluirá o benefício na sua conta. No aplicativo My Disney Experience a Rider Switch aparecerá como um FastPass+, com um horário pré-estabelecido para usar.

Enquanto o primeiro adulto vai para a fila, o segundo poderá aproveitar o parque com a criança. Depois, quando estiver na hora da Rider Switch, o adulto que antes esperou com a criança, vai para a fila de FastPass+ utilizando o benefício.

- Universal


Nos parques da Universal o benefício do revezamento se chama Child Swap. O lado bom é a maioria das atrações oferecem o Child Swap, por outro lado a criança precisa esperar na fila com os adultos — o que pode ser bem exaustivo para os pequenos.

Na Universal o revezamento permite até 3 adultos e funciona assim:


Todos, inclusive a criança, deverão entrar juntos na fila da atração. Quando for sua vez, antes de entrar no brinquedo, você irá avisar ao funcionário que vai fazer o Child Swap. O funcionário vai te direcionar a uma sala, chamada de “Family Room”. Enquanto você espera com a criança, o outro vai para a atração.

Quando o primeiro adulto voltar, vocês trocarão de lugar e o segundo adulto, após avisar ao funcionário que está usando o Child Swap, poderá ir direto para a atração sem pegar fila.


- Sea World Parks


Nos parques do grupo Sea World o revezamento também se chama Child Swap e funciona da seguinte maneira:


Todos deverão ir até a atração e comunicar ao funcionário que farão Child Swap. Assim, ele irá entregar um papel com o número de pessoas do grupo e irá autorizar a entrada de metade das pessoas, enquanto o restante ficará com a criança.

O papel deverá ser apresentado ao funcionário antes de entrar no brinquedo para que ele marque o número de adultos que entraram na atração. Após o primeiro grupo sair do brinquedo, o segundo, que ficou com a criança, fará a troca apresentando o mesmo papel marcado pelo funcionário e entrará na fila Quick Queue — uma espécie de FastPass+ do grupo Sea World.

- Legoland

No Legoland para fazer o Child Swap (também chamado de Parent Swap) todos do grupo devem esperar na fila. Quando você chegar à frente da atração, avise ao funcionário que deseja fazer o revezamento, assim ele irá te encaminhar a uma área de espera. Quando o primeiro adulto voltar da atração o segundo será direcionado a entrada do brinquedo sem pegar fila.

  • Baby Care Center

Conforme falei anteriormente, o Baby Care Center é um tipo de espaço família com muito mais recursos oferecido pela Disney em seus 4 parques temáticos para todas as crianças.


No Baby Care Center você encontrará:


- Ambiente climatizado, sossegado e confortável;

- Sala de amamentação;

- Sala com trocadores para os bebês e banheiro para os pais;

- Sala com TV;

- Espaço para alimentação, pia, microondas e fogão para aquecer papinhas, leite ou água (somente os alimentos das crianças!);

- Loja papinhas, leite em pó, remédios, fraldas, entre outras coisas à venda.

  • E o carrinho?

O carrinho vai ser importantíssimo independente da idade da criança — acredite! Os parques são imensos e até mesmo uma criança mais velha precisará dar uma descansada nos pés. Já para os menores é ótimo principalmente para evitar o cansaço dos pais.


Avalie a melhor opção entre levar do Brasil, comprar ou alugar. Alguns fatores são determinantes nessa escolha, como tempo de viagem, se vocês costumam viajar muito e, claro, seu orçamento. Geralmente um carrinho é vendido por 30 dólares, enquanto o aluguel custa cerca de 10 a 15 dólares por dia (podendo variar conforme o peso).

Para entrar na atração você precisará deixar o carrinho num espaço específico para eles: o estacionamento de carrinhos. Não se preocupe que ninguém irá mexer nas suas coisas; o máximo que pode acontecer é um funcionário ajustar a posição dele para facilitar o trânsito.

  • Checklist para os parques


- Potinho com alimentos

- Lanches

- Garrafa plástica de água

- Leite

- Protetor solar

- Roupas extras

- Fralda, trocador, paninhos e outros itens de higiene

- Capa de chuva

- Remédios

- Carrinho

Além dos parques

Orlando vai muito além dos parques temáticos, não só para os adultos como também para as crianças. Algumas experiências fora dos parques temáticos podem fazer as crianças muito felizes!

Listei abaixo alguns atrativos que podem ser muito legais para os pequenos.

  • Refeição com personagens;

  • Cruzeiro da Disney;

  • Parques aquáticos;

  • Praias próximas;

  • Crayola Experience;

  • Passear pelas lojas de brinquedos;

  • Bibbidi Bobbidi Boutique para as meninas e The Pirates League para os meninos;

  • Fogueira com o Tico e Teco.

Dúvidas frequentes

  • Os brinquedos são seguros para meu filho?

Sim! Os parques fazem manutenções nos seus brinquedos constantemente para garantir a segurança de todos os seus visitantes.

  • Onde alugar cadeirinha ou seat boster?

Você pode alugar diretamente com a empresa que alugará seu carro. Caso opte por comprar, você encontrará no Walmart ou poderá comprar em sites como a Amazon que entregam no hotel/casa.

  • O que faço se meu filho se perder?

Todos os funcionários são bem treinados para lidar com uma situação dessa. Caso isso aconteça, procure um funcionário e siga as instruções que ele lhe der.

Algumas dicas como usar pulseirinha de identificação e instruir as crianças a procurarem um funcionário ou o espaço para famílias poderão auxiliar num momento como esse.

  • Os restaurantes fornecem assentos para crianças?

Sim! Basta pedir a um funcionário um “high chair”.


Considerações finais


Respeite a individualidade de cada criança

Independente da idade do seu filho programe uma viagem num ritmo desacelerado. Evite programar os parques em dias consecutivos; não tenha pressa de chegar cedo e sair tarde; atente-se as limitações de cada criança e tenha uma viagem muito mais proveitosa!


Opte por viagens com mais tempo


Essa estratégia é boa para complementar a anterior. Se você tem 10 dias em Orlando e vai visitar todos os parques temáticos da Disney e da Universal, e pretende fazer compras, como você irá distribuir isso tudo sem cansar a criança?

Lembre-se também que imprevistos podem acontecer e acabar adiando algum plano. Com mais dias disponíveis você conseguirá espaçar melhor sua programação e não perderá nada caso aconteça alguma coisa.


Repita alguns parques


Alguns parques, como o Magic Kingdom, são repletos de atrações e entretenimento, por isso são difíceis de fazer tudo em um dia. Se puder, programe dois dias para parques nesse estilo, assim você poderá dividir as atividades.


Faça um roteiro


Eu acredito que viajar com um roteiro é fundamental numa viagem só de adultos ou com crianças. Um roteiro será essencial para você não perder tempo nem dinheiro, além de não ficar perdido sobre o que fazer na cidade e onde comer com seu filho, por exemplo.


Entre no clima

Se para nós, adultos, Orlando é mágico, imagina para as crianças que poderão se sentir dentro do seu desenho favorito? Aproveite cada momento com os pequenos, brinque com eles e não tenha vergonha não!


Relatos


Ainda está na dúvida se vale a pena levar as crianças? Não está convencido que qualquer idade poderá aproveitar Orlando? Eu separei alguns relatos de nossos seguidores que foram pra Orlando com seus filhos e curtiram muito essa experiência.

''Fui aos EUA com 15 anos e ao pisar na Disney e ver aquele castelo prometi que assim que tivesse filhos iria levá-los. E assim quando minha primeira filha fez 4 anos a levei pela 1º vez. Foi um sonho ver aquele castelo com a minha pequena de mãos dadas e vestida de Princesa.

E assim repeti o sonho com a 2º filha com a mesma idade. E levei as duas com 4, 8 e 12 anos, sendo a última viagem em 2019.

Sempre procuramos ficar em hotéis que tenham cozinha, levo sempre na mochila frutas, biscoitos, chocolate e água para economizar.

A cozinha facilita fazer uns sanduíches para o parque e as vezes fazer um jantar, porque eles chegam do parque exaustos e não dá pra ir em restaurante.

Também compramos aqueles carrinhos guarda chuva bem baratos no Walmart o que facilita o acesso delas.

Indico fazer o dia de princesa dentro do castelo para quem tem meninas, restaurante T-Rex com seus fósseis, sorvetes de carinha de Mickey, caderno de autógrafos e fotos com todos os personagens.

Nessa última viagem ainda levamos nossa sobrinha, que ainda não conhecia.

Viajar com crianças pra nossa família sempre foi diversão!''

Flávia Salgado.

As princesas da Flávia
Família completa da Flávia!

''Foi a primeira viagem em família e escolhemos a Disney, fomos eu, meu marido e dois filhos - um de 2 anos e meio e outro de 9 anos - minha irmã e o marido com dois filhos - uma de 8 meses e outro de 7 anos. Embora eles fossem ainda bem novinhos e muita gente até ache loucura ou que não vale à pena fazer uma viagem assim, minha opinião sincera: vale muito à pena. É cansativo e dá trabalho sim, e é muito diferente do que viajar sozinha ou à dois, sem criança. Mas quem tem filhos está na chuva, e se está na chuva é pra se molhar…e nada melhor que se molhar na Disney, né?

Mas estou escrevendo para contar um pouco de como foi a nossa experiência.

Começamos o planejamento com um ano de antecedência pois queríamos tudo organizado – ate por que a minha mãe também iria e com tantas pessoas e de diferentes idades precisávamos ter tudo organizado e planejado, afinal não viajamos para nos estressar e sim para nos divertirmos!!!!

Muito importante o uso do carrinhos pois usamos carrinho em todos os parques e todos os dias, fomos em todos os parques da disney, da universal, sea world, discovery cove, bush garden e legoland. Os carrinhos podem ser alugados, no próprio parque eles disponibilizam, ou se preferir pode comprar no wallmart e usar ate o dia que vier embora.

Viajar com os pequenos nos trouxe a experiência de conhecer os Baby Care Centers de todos os parques (Os Baby Care Centes são locais apropriados para troca de fraldas, amamentação e que tem leite, papinhas, fraldas e fórmulas a venda), uma estrutura perfeita que tem tudo que você precisa para o seu bebe, e sempre com ar condicionado, que dependendo da época que se vai, faz diferença.

Outro fator muito importante, levávamos comidas e bebidas nas mochilas para não ficarmos dependendo do que os parques teriam a oferecer, e assim ganharíamos tempo, já que cada criança sente fome em um momento diferente da outra, e sempre tínhamos agua e frutas.

Outra dica importante que existe nos parques é se você e todo o seu grupo quer ir a uma atração mas seu filho pequeno não quer ou não pode ir, vocês poderão revezar quem vai e quem fica com a criança, porém pegarão a fila somente uma vez. Tanto a Disney como a Universal oferecem este benefício sob o nome de Rider Switch (na Disney) ou Child Swap (na Universal).

Se seu filho for maiorzinho vale a pena o dia do pirata, seu filho entra num barco se “transforma” num pirata de verdade e ganha um mapa onde precisará achar a chave do baú do tesouro. Mmeu filho adorou a experiência, achou incrível. Fizemos com meu filho de 9 anos e meu sobrinho de 7 anos... já que so pode criancas maiores que 3 anos e meu outro filho tinha apenas 1 ano e 7 meses!!

Por fim se me perguntarem qual a melhor idade para levar as crianças a disney eu respondo cada idade tem a sua própria magia!!!''

Lúcia Monte.

Família completa da Lúcia!
Lúcia e família no Chef Mickey´s

Quer ajudar outras famílias e compartilhar sua experiência com crianças em Orlando? Me envia um e-mail clicando aqui!


Espero que esse guia te ajude a organizar sua viagem para Orlando e que você viva momentos mágicos com sua família!

Vai viajar? Contrate nosso roteiro personalizado. Conheça nossa proposta e peça aqui um orçamento.


Nos siga no Instagram e receba todos os dias um conteúdo novo.